BORDAR

Descompasso

 

 

Nem sempre

a harmonia

fez-se de linhas

paralelas, retilíneas.

Ao contrário,

inesquecíveis melodias,

da quebra do setenário,

fazem brotar, no cenário,

o som dissonante,

o astro solitário,

que deixa no ar,

desenho imaginário,

uma voz,

um sorriso,

um quê

de descompasso,

um voo bordado no espaço,

convidando

                                     a descompassar.

 

Ases que somos das esquadrilhas,

percorremos as mesmas trilhas

                            até o momento de   

 

                                                         descarrilar.

(Do livro Lição de voar, 2019)

capa2019.jpg